sábado, 5 de julho de 2014

Telepatia (amo este assunto)

 Para a pensadora Helena Blavatsky, a única coisa que pode separar duas mentes é a diferença entre os estados de espírito delas, e não a eventual distância física. Ela escreveu:
 
“Não está muito longe o dia em que o mundo da ciência será forçado a reconhecer que pode existir tanta interação entre duas mentes, seja qual for a distância entre elas, como entre dois corpos em contato direto. Quando duas mentes estão harmoniosamente relacionadas e os instrumentos pelos quais elas funcionam estão regulados de modo a responder magnética e eletricamente um ao outro, não há nada que possa impedir  a transmissão voluntária de pensamentos de uma mente para a outra; porque, como a mente não tem uma natureza física, a distância não pode separá-la do objeto da sua contemplação, e a única diferença que pode haver entre duas mentes é a diferença de ESTADO.  Se este obstáculo for removido, onde está o ‘milagre’ da transferência de pensamento, seja a que distância for?” [1]
 
A telepatia inconsciente que liga as mentes humanas está no alicerce da tradicional vigilância dos pais para garantir que os filhos tenham amizades corretas. Se alguém convive com quem tem bons pensamentos, recebe telepaticamente aquela energia.  É verdade que nem sempre é indispensável estar junto a pessoas que pensam corretamente. No Novo Testamento, Jesus se rodeia de pecadores e os inspira e os leva à recuperação moral e espiritual. Um homem bom e sábio tem o poder de irradiar luz e paz ao seu redor, e é protegido por sua própria pureza da contaminação magnética de sentimentos negativos. O clássico budista “Dhammapada” afirma:
 
“Eu chamo de brâmane [sábio] aquele que é amável entre os hostis, suave entre os violentos, e livre de ambições entre os que cobiçam” [2]
 
É pela telepatia inconsciente que, quando estamos com uma pessoa verdadeiramente santa, nos sentimos inspirados e elevados.  Por isso os clássicos Versos de Ouro de Pitágoras  aconselham: “Escolhe como amigo o mais sábio e virtuoso”.
 
 A mente humana é do tamanho daquilo que ela contempla, e nenhuma mente é pequena quando se dedica a metas elevadas.
 
Helena P. Blavatsky afirmou que é difícil encontrar alguém  que não seja influenciado pela vontade ativa de outra pessoa. Ela deu alguns exemplos. Na guerra, quando um oficial que é visto com admiração vai para o front da batalha, os soldados entram em sintonia magnética com ele e compartilham do seu entusiasmo. Seguem-no sem medo, enfrentando o perigo com bravura. Na igreja, o pregador religioso se ergue em seu púlpito e, ainda que diga o absurdo mais incongruente, seus gestos e o tom de lamentação da sua voz serão capazes de produzir uma mudança no estado de espírito do público. No teatro, as pessoas choram ou riem de acordo com o caráter do espetáculo.[5]  Todos nós somos afetados o tempo todo pela vontade, pelos sentimentos e pelos pensamentos dos outros. E também os afetamos.Quando alguém forma descuidadamente uma opinião negativa e inverdadeira de outra pessoa, comete um erro que não ficará impune. Aquele que é sensato evita formar opiniões negativas sobre as pessoas que ama, e também sobre as pessoas de quem não gosta. Todos são influenciáveis em alguma medida. Deve-se ter cuidado com a crítica aberta, se ela for destrutiva. Mas o pensamento negativo que não é falado pode ser ainda pior, porque age de modo desapercebido. Deve-se ver as pessoas com um olhar generoso, e criticar honestamente as atitudes específicas que se considera erradas.
 
A visão geral que temos do outro deve ser positiva pelo menos por dois motivos. O primeiro é que temos motivos para reconhecer que o outro funciona, em parte, como um espelho de nós mesmos. Em segundo lugar, sabemos que cada ser humano possui, assim como nós, um potencial ilimitado para o bem. A crítica deve limitar-se, pois, ao detalhe, ao instante, ao aspecto isolado. Não se deve criticar alguém sem mencionar sinceramente algumas das suas virtudes. Seria pouco inteligente, portanto, esquecer que cada ser humano tem em si a semente da perfeição. Somos todos alunos e professores na escola da vida, e ajudamos a construir o caráter uns dos outros, inclusive através dos processos telepáticos involuntários. 
 Nossos pensamentos, sentimentos e intenções criam uma faixa de sintonia magnética que nos une a tudo e a todos sobre os quais concentramos nossa atenção, e com os quais interagimos em nossa mente.

Os testes e provações serão indispensáveis para que o progresso seja sólido e durável, mas a paz interior passa a estar cada vez mais presente. A mente ganha estabilidade; surge um processo natural de distanciamento dos pensamentos desordenados. O olhar passa a ver mais longe. O céu da sua consciência fica claro e amplo, livre de nuvens e tempestades. É neste momento que a comunhão e a percepção conscientes do pensamento e do sentimento começam a ocorrer sem grandes obstáculos.   

Nenhum comentário: